quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

O ISCIA e a Marinha Portuguesa juntos na formação académica


A Marinha Portuguesa juntou-se ontem à rede de parceiros do ISCIA no desenvolvimento do Departamento de Tecnologias do Mar
A bordo da corveta da Armada portuguesa “General Pereira d’Eça”, acostada nos novos cais do Porto de Aveiro, foi ontem assinado, entre a Marinha Portuguesa e o Instituto Superior de Ciências da Informação e da Administração (ISCIA), um protocolo, na área da formação superior e da formação especializada relacionada com as tecnologias do mar, da segurança e da política de autoridade marítima e da gestão portuária. No acto de assinatura, o Contra-Almirante Luís Fragoso, Comandante da Escola Naval, lembrou que “a Marinha quer servir o país e, assim, compete-lhe apoiar e desenvolver todo o conhecimento relacionado com a actividade do mar”. Luís Fragoso felicitou o ISCIA pela iniciativa, pois “entendemos que é importante, para um país que se quer virado para o mar, habilitar pessoas com conhecimentos sólidos nessa área”. O Contra-Almirante realçou a cooperação entre instituições para dinamizar o conhecimento. Armando Teixeira Carneiro, director do ISCIA, na sessão a que assistiram vários oficiais generais dos diferentes ramos das Forças Armadas, capitães de Porto de Aveiro e Figueira da Foz – importantes parceiros deste projecto estratégico –, esclareceu que “através deste protocolo será desenvolvido o DETMAR - Departamento de Tecnologias do Mar do ISCIA que tem vindo a realizar cursos de pós-graduação na área da logística e da gestão portuária”. Em breve, anunciou, conta “oferecer um alargado conjunto de cursos de curta duração, na forma de “blended learning” e na forma puramente distal, para responder a necessidades formativas específicas, não só no território português como na alargada zona da CPLP e, também, para apoio a necessidades formativas de forças portuguesas projectadas em acções de segurança e de paz”. Este protocolo entre a Marinha e o ISCIA é “um claro e positivo exemplo do estabelecimento de redes de conhecimento e a prova da relevância da participação de um ramo das Forças Armadas em projectos estratégicos de desenvolvimento do país num entendimento alargado e moderno do conceito de defesa nacional”. A interface portuária portuguesa nas redes multimodais de transporte e nos sistemas logísticos internacionais é cada vez mais um factor estratégico de diferenciação que precisa de se optimizar através da formação contínua de todos os profissionais envolvidos. Por isso é que, no estabelecimento desta rede de conhecimento, avivou Armando Teixeira Carneiro, “estão também outras entidades envolvidas como a Universidade Fernando Pessoa e a Luís Simões SA”. Espera-se que ainda no primeiro trimestre de 2009 possa funcionar um mestrado em Gestão Portuária e, no próximo ano lectivo, uma licenciatura na área de Tecnologias do Mar, que será submetida à aprovação do MCTES dentro de breves dias. O ISCIA irá também participar num projecto de natureza politécnica liderado pela Administração do Porto de Aveiro e que se denominará de CIEM - Centro de Excelência Marítima, com data já marcada de constituição para meados de Janeiro de 2009. Este reforço da formação superior de cariz politécnico na região de Aveiro vem apoiar a estratégia de desenvolvimento do eixo logístico dirigido à Europa a partir de Aveiro e da Figueira da Foz, pela via Viseu-Guarda-Salamanca-Valladolid, “em franca e saudável concorrência com os outros eixos estratégicos que se desenvolvem a Norte, com base nos portos de Leixões e de Vigo, e a Sul, com base nos portos de Lisboa, Setúbal e Sines”.
Luís Ventura

1 comentário:

rouxinol de Bernardim disse...

A cooperação entre estas entidades é de enaltecer e até de divulgar como exemplo a seguir!

Assim é que se constrói um Portugal mais próspero, sem compartimentos estanques, num amplexo permanente entre todos os agentes culturais, económicos, castrenses...