domingo, 14 de dezembro de 2008

Abriu a época oficial de Natal ..no Ponto de Encontro


Era uma vez, lá na Judeia, um rei.
Feio bicho, de resto:
Uma cara de burro sem cabresto
E duas grandes tranças.
A gente olhava, reparava e via
Que naquela figura não havia
Olhos de quem gosta de crianças.

E, na verdade, assim acontecia.
Porque um dia,
O malvado,
Só por ter o poder de quem é rei
Por não ter coração,
Sem mais nem menos,
Mandou matar quantos eram pequenos
Nas cidades e aldeias da nação.

Mas, por acaso ou milagre, aconteceu
Que, num burrinho pela areia fora,
Fugiu
Daquelas mãos de sangue um pequenito
Que o vivo sol da vida acarinhou;
E bastou
Esse palmo de sonho
Para encher este mundo de alegria;
Para crescer, ser Deus;
E meter no inferno o tal das tranças,
Só porque ele não gostava de crianças.


MIguel Torga

2 comentários:

homesdepedra disse...

Quen me dera un árbore como ese para poñer no meu barco!

Cantariamos o carón del,
panxoliñas mariñeiras
que falarían do mar,
da escuma e do vento,
pra que se poña contento
o meniño de Belén.

E si el o tivese a ben...
Que cante con nós tamén.!!!



Apertas salgadas

Marieke disse...

Lindo o teu poema
Um bom nadal para ti e para a tua família e amigos
Um abraço
Marieke