segunda-feira, 4 de junho de 2012

O Mar na poesia Galega

Meus ollos van por lo mare,
mirando van Portugale.
Meus ollos van por lo río,
mirando van meu amigo
canción popular anónima do século XV ou XVI
Cando sentado en unhas altas penas que o mar batía con feroz ruxido,
ardendo en lume vivo as súas venas,
centellándolle os ollos encendidos, xamáis adormecidos
, Belmiro, labrador, se lamentaba e os seus gritos alzaba ós ceos dos seus males causadores, contándolles ós aires seus dolores.
Xa tamén revolcándose na area, das súas bágoas empapada e chea,
xa as rocas lles contaba os seus amores
Vizconde de Chauteaubriand
Envolto en brétemas frías vinte berrar con furor;
vín a maldá que encobrías que sempre andas as porfías co bote do pescador.
Vín a ola que se escarrancha contra ó barco,
feita escuma, cando tragar quere a lancha
e nín da bóveda ancha siqueira un luceiro aluma

2 comentários:

Anónimo disse...

Olá!
Gostei muito do blog, tem muito bom gosto, encontrei-o porque estou à procura de informações gerais sobre a Ria de Aveiro, mas nunca pensei em encontrar alguém tão dedicado Às histórias e costumes desta zona de Portugal. O que mais me surpreendeu é seres galega! Posso perguntar de onde? Estive alguns meses a trabalhar em Mazaricos e posso dizer que adorei o pessoal do norte!
O que eu pediria agora é onde posso ter acesso a fotografias antigas ou até se tiveres informação interessante sobre a Ria pois estou a trabalhar num projecto urbano de arquitectura. Aqui está o meu contacto
sarah_dmz@hotmail.com

Obrigada desde já e parabéns pelo blog,
Sara

rouxinol de Bernardim disse...

Poesia telúrica com sabor a sol e a perfume. a estética e a sensibilidade irmanadas num amplexo fraternal. Sublime.