quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Cardadores de Vale de Ílhavo...Parte III



Vale de Ílhavo: «Cardadores» não desapontam a assistência


Depois de um domingo contraditório, terça-feira era aguardada com entusiasmo reforçado. A organização incentivou os grupos com verbas e o espectáculo foi melhor do que em 2007
Mais uma vez, a tradição cumpriu-se em Vale de Ílhavo, atraindo a esta pequena localidade do concelho de Ílhavo centenas de pessoas, que quiseram ver passar o cortejo de Carnaval, em que os desvairados «cardadores» foram as estrelas da tarde. Figuras grotescas, os «cardadores» percorrem o cortejo num rodopio, provocando grande alarido à custa dos apitos, sinetas e guizos que trazem amarrados a si e aos bizarros trajes que envergam. O costume dita que usem meias de algodão até ao joelho e roupa interior feminina, de outros tempos. Na cabeça, um enorme toucado feito de fitas coloridas, de diferentes tamanhos, que descem até ao fundo das costas, reforçando a excentricidade destas criaturas do Carnaval popular. O nariz é de forma fálica, que juntamente com as «cardas», os foliões fazem passar pelo corpo das jovens que assistem ao desfile. O seu objectivo, diz quem sabe, é meterem-se com as raparigas, indiferentes ao facto de estarem sozinhas ou acompanhadas pelo namorado. O que interessa é que a festa aconteça. Frenéticos e barulhentos, misturam-se pelo meio do público, que exulta e aplaude. Afinal, foi para ver isto que aqui vieram. Maria de Fátima dirigiu-se a Vale de Ílhavo para, pela primeira vez, assistir a um desfile «do qual já tinha ouvido falar muitas vezes». «Sentia grande curiosidade. Agora, é ver se consigo furar a multidão para espreitar o cortejo», comentou, referindo-se ao aglomerado de público que assistia na berma da principal via da localidade. Por sua vez, Maria Ferreira é já uma habitué nestas folias. «Já vim cá muitas vezes seguidas e posso dizer que, este ano, o desfile está muito mais bonito de ser ver. É que, no ano passado, não prestou para nada», afirma, peremptória. Maior investimento em 2008 João Torrão, responsável pela organização da festa, justifica a opinião da espectadora Maria Ferreira. «Para 2008, percebemos que sem dinheiro não há qualidade. Atribuímos incentivos financeiros a cada grupo, reforçando em 25 por cento o montante. Como tal, houve mais interessados em desfilar. Contámos com mais três grupos do que no ano anterior», explica. Ou seja, dez grupos, com cerca de 400 pessoas, vindos da Gafanha da Nazaré, Ermida e Torre dos Moitinhos. O Orçamento do cortejo ultrapassa os dez mil euros. Sem a contribuição de comerciantes locais, a organização conta com um imprescindível apoio da autarquia ilhavense. «Contudo», queixa-se João Torrão, «é manifestamente insuficiente. A Câmara dá-nos apenas quatro mil euros, que a nossa associação aplica no Carnaval e noutras actividades. Esperamos conseguir negociar esta verba». Fonte: Diario de Aveiro

6 comentários:

Sailor Girl disse...

Este blogue vai de vento em popa!! Parabéns!

Vasco Moscoso de Aragão disse...

Milhoras Rápids Marieke

joao veiga disse...

Vê lá se melhoras que isto de ter de ir à farmácia, ao SAP, à taberna, às Urgencias, ao tabaco, à depilação, ao aido, ao termómetro de 2 em 2 horas também adoece.....
MELHORAAAASSSSSSSSS

Homesdepedra disse...

E curisoso ollar todas as tradicions carnavaleiras e os distintos roupaxes que se visten.

Aqui na galicia un dos lugares donde mais pintoresco é o carnaval é no concello de Laza en Ourense cos seus vistosos "peliqueiros" que no fondo son o mesmo que os "Cardadores" de Ilahavo.

Apertas

http://www.galeon.com/carnaval_ourense/pro5.htm

Marieke disse...

Realmente somos só uma Nação...como é possivel haver tradições e roupagens tão semelhantes em duas terras tão distantes

Anónimo disse...

parabéns. sempre acreditei nas tuas capacidades.
Lira